Posted by : Thiago Guimarães sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Escrever sobre ciência, em especial a física, é uma tarefa dura, mas quando nós abordamos assuntos que gostamos é prazeroso escrever textos, infelizmente esse não é o caso de hoje para mim. Porém é uma tarefa necessária. Dia 12 desse mês foi aniversário do Físico Erwin Schrödinger, um dos pais da mecânica quântica e o idealizador de um dos experimentos mentais mais famosos de todos os tempos, o maldito gato zumbi dentro de uma caixa. Com seu aniversário várias páginas resolveram usar imagens do “gato de schrödinger” para divulgar a data, inclusive o google fez um doodle super legal. Nos comentários das páginas e no meu perfil pessoal vi perguntas, várias delas, e notei que uma grande parte das pessoas acredita que o experimento do gato realmente aconteceu e que o foco é o gato dentro da caixa, então nosso texto de hoje será sobre isso; O que de fato é o Experimento do Gato de Schrödinger e  o que é que causa o colapso da função de onda.


Desde de já peço perdão aos amigos físicos, mas preciso aqui usar análogos clássicos para tentar facilitar a visão do que acontece.

Imagine que você está afim de um(a) garoto(a), mas vocês mal se conhecem e mesmo assim você quer chamar ele(a) para sair. Então antes de convidá-lo para sair você resolve utilizar suas habilidades matemáticas para tentar calcular qual a probabilidade dele(a) dizer “sim” e “não”. Como você conhece pouco sobre essa outra pessoa, você acha mais prudente dizer que a chance de receber um “sim” é de 50% e a chance de receber um “'não” é igualmente de 50%. Ok, antes de você perguntar existem duas respostas para sua pergunta “sim” e “não”, então vamos dizer que você se encontra num “estado” de resposta “sim-não”, ou seja, um estado de dúvida, pois ambas respostas são possíveis. Então você resolve perguntar para a pessoa se ela quer ou não sair com você e (ao menos nesse texto) ela responde “Sim”, então a sua probabilidade de receber um “sim” é agora de 100% e a do “não” é 0%. Inicialmente você estava no estado “sim-não”, agora seu estado colapsou para apenas “sim”. Simples, não?!

A idéia do experimento do gato de Schrödinger é quase a mesma coisa. De forma simplória, imagine que você coloca um gato dentro de uma caixa, a qual está devidamente lacrada (mas tem ar suficiente para o gato ficar lá dentro), junto ao gato tem um dispositivo macabro que, de forma aleatória, pode ou não quebrar um frasco de veneno dentro da caixa e matar o coitado do gato. Digamos que existe novamente 50% de chance de o dispositivo quebrar o frasco de veneno e matar o gato, e 50% de chance do dispositivo não quebrar o frasco e o gato continuar vivo. Enquanto não abrirmos¹ a caixa e vermos se o gato está vivo ou morto, sabemos apenas que ele tem 50% de chance de estar vivo e 50% de chance de estar morto, dizemos então que ele está no estado “vivo-morto”. Assim que abrimos essa caixa devemos encontrar ele ou vivo ou morto, ou seja, ou ele estará 100% vivo e 0% morto ou 0% vivo e 100% morto. Exatamente da mesma forma que aconteceu no exemplo de você convidando uma pessoa para sair. Mas note que nesse caso "abrir" a caixa representa uma medida do sistema, uma medida do gato vivo ou morto e não que é um observador (uma pessoa) forçando o gato a assumir um estado específico, o observador pode e deve ser substituído por algum aparelho como trataremos isso de forma mais correta no final desse texto.


O que nos interessa de verdade aqui é tratar esses estados de “sim-não” ou “vivo-morto”. Pois classicamente não podemos ter um gato vivo e morto ao mesmo tempo dentro da caixa, então essa idéia é bem absurda. Mas a coisa muda de forma quando começamos a estudar a famosa Mecânica Quântica, pois um elétron por exemplo, pode ter spin para baixo ou spin para cima após uma medição, enquanto que antes dessa medição ele se encontrava em uma combinação linear de spin para cima e para baixo, da mesma forma que o gato “vivo-morto” ou da resposta “sim-não”.


Agora que você tem uma idéia do assunto, vamos formalizar um pouco e espero que você tenha paciência e vontade de ler.

Muito antes da mecânica quântica surgir, Thomas Young já mostrava, por meio do famoso experimento da dupla fenda, que um elétron poderia se comportar como uma onda. Em 1926, a partir de trabalhos publicados por Einstein e Planck, o físico francês Luis deBroglie introduz a idéia da onda de matéria, em que se podia demonstrar matematicamente as propriedades ondulatórias da matéria, um elétron por exemplo.

Uma vez que para partículas subatômicas esse caráter ondulatório é muito visível e importante, foi introduzida uma ferramenta matemática chamada de função de onda ψ. Essa função tem importância fundamental na mecânica quântica, uma vez que ela serve para descrever as principais características de sistemas quânticos, como a energia, momento, posição e como eles se comportam.

Para se obter essa função ψ de onda, basta se extrair soluções da famosa equação de Schrödinger, por exemplo. É como o "encontre o x" da matemática do ensino médio, mas um pouco mais complicado.
Equação de Schrödinger.
Como essa partícula é muito pequena, seu estado é dado pela interpretação estatística de Bhorn, sobre a função de onda, em que |ψ|² é a probabilidade de se encontrar a partícula em um ponto x, no instante t.


A probabilidade de se encontrar a partícula naquela região é a área do gráfico que está em vermelho. No gráfico acima é bastante provável encontrar a partícula em A e quase impossível em B. Mas vamos supor que conseguimos medir com exatidão a partícula no ponto C, dessa forma todas as medidas consecutivas deveriam ser iguais, fazendo nossa função de onda se tornar um pico em C, a isso damos o nome de colapso da função de onda.


Assim, vê-se que há dois tipos de processos físicos completamente distintos: Os “comuns” no qual a função de onda evolui lentamente regida pela equação de Schrödinger e as “medidas” em que ψ colapsa súbita e descontinuamente.

Esses processos são importantes para mostrar o caráter ondulatório e probabilístico da mecânica quântica. Além de que o processo do colapso da função de onda é amplamente citado por indivíduos que fazem uma abordagem mística/esotérica da mecânica quântica, que é justamente o motivo pelo qual eu odeio escrever sobre esse assunto.

Nós não conseguimos saber antes da medida, onde uma partícula se encontra, podemos apenas conhecer a probabilidade dela ocupar certas regiões do espaço, quando executamos uma medida e encontramos a partícula dizemos que houve um colapso da função de onda, assim a função de onda que conhecíamos antes já não existe mais, e a partícula volta a evoluir no tempo a partir de novas condições iniciais. Isso nos mostra a sensibilidade do sistema ao ser medido.

Pelo caráter matemático da equação de Schrödinger, ela pode nos prover várias soluções para a função de onda, ψ, ψ1, ψ2 e etc. Nós podemos também somar duas dessas equações de onda e obter uma nova função de onda, ψ=Aψ1 + Bψ2, A e B são constantes. Quando fazemos essa soma, nós estamos sobrepondo dois estados quânticos e é isso que nos interessa!

Cada uma dessas funções de onda pode nos fornecer um valor diferente para energia, por exemplo. Assim ao somar essas duas funções de ondas, não obteremos mais apenas um valor para energia, mas sim dois. Dessa forma a partícula regida pela soma dessas funções de onda pode ter sua energia entre esses dois valores e não mais apenas um valor.

Mas como entender isso fisicamente? Imagine que pegamos vários sistemas quânticos exatamente idênticos, sem a superposição de estados, quando medimos a energia em um desses sistemas ele nos dará a energia E1 quando medirmos novamente a energia em qualquer outro desses sistemas nos obteremos novamente E1. Quando temos a superposição de estados quânticos, essa certeza desaparece. Ao realizar a medida da energia no primeiro sistema quântico, podemos obter E1 ou E2 quando fizermos a medida no segundo sistema, novamente podemos ter E1 ou E2 e o mesmo ocorrerá na medida de qualquer um dos outros sistemas identicamente preparados. E se fizemos a medida em um primeiro sistema e obtivermos E1  nada garante que a medida dos outros sistemas sejam também E1, pois ainda existe a probabilidade de medir E2.  Assim mesmo com sistemas idênticos, podemos obter energias diferentes.

Com a superposição, as medidas de propriedades dos sistemas passam a não ser mais bem definidas, mas sim estatísticas. Enquanto nenhuma medida é feita nós dizemos que os estados estão sobrepostos (ou superpostos) e a única coisa que podemos fazer é calcular a probabilidade de medir o sistema e encontrar um estado ou outro.

Foi nesse sentido que surgiu o experimento mental do Gato de Schrödinger. Como antes da medição não conseguimos saber em qual estado quântico nosso sistema está, dizemos que ele está em uma superposição de estados. Schrödinger trouxe esse fenômeno para um exemplo mais palpável: Colocando um gato dentro de uma caixa junto a uma armadilha que possa matá-lo, dizemos que o gato pode possuir dois estados, vivo ou morto. Quando fechamos a caixa, não temos como saber se a armadilha disparou e matou o gato, ou se a armadilha não disparou e o gato continua vivo. A menos que a caixa seja aberta, nós não poderíamos afirmar que o gato está vivo, nem que o gato está morto, mas sim que ele ocupa uma superposição de estados, em que existe uma probabilidade dele estar vivo e outra probabilidade dele estar morto.



Agora vamos ver como Schrödinger elaborou originalmente o experimento e tentar tirar está besteira de que a consciência humana é quem colapsa a função de onda.

Schrödinger escreveu:

Qualquer um pode mesmo montar casos bem ridículos. Um gato é trancado dentro de uma câmara de aço, juntamente com o dispositivo seguinte (que devemos preservar da interferência direta do gato): num tubo contador Geiger há uma pequena porção de substância radioativa, tão pequena que talvez, no decurso de uma hora, um dos seus átomos decaia, mas também, com igual probabilidade, talvez nenhum se decaia; se isso acontecer, o tubo contador liberta uma descarga e através de um relé solta um martelo que estilhaça um pequeno frasco com ácido cianídrico. Se deixarmos todo este sistema isolado durante uma hora, então diremos que o gato ainda vive, se nenhum átomo decaiu durante esse tempo. A função-Ψ do sistema como um todo iria expressar isto contendo em si mesma o gato vivo e o gato morto simultaneamente ou dispostos em partes iguais.”

No primeiro exemplo que dei lá no começo do texto sobre o experimento do gato de Schrödinger eu disse que você tinha que abrir a caixa para que o gato assumisse ou um estado vivo ou um estado morto, fiz isso apenas a título de simplificação, mas já aviso que isso é perigoso, pois pode dar interpretações erradas, para tanto fique muito atento as linhas abaixo!

Falamos em grande parte do texto sobre medições, mas o que afinal são essa medições? É consciência humana de quem realiza o experimento? NÃO! Na descrição correta do experimento mental que está aí acima, vemos que há uma fonte radiativa que pode emitir uma partícula ou não, que será registrada pelo contador Geiger. A medição é representada pelo disparo do contador Geiger ao registrar o evento da emissão da partícula e não a intervenção de um observador humano. O que chamamos de medição nesse caso é a interação entre o sistema microscópico e o macroscópico de forma a deixar um registro permanente, ou seja, é no momento que a mecânica quântica interage com a mecânica clássica. Pois o sistema macroscópico não pode ocupar uma superposição de estados da mesma forma que o sistema quântico. Alguns oportunistas gostam de pegar a palavra “medição” e dar um caráter totalmente humano e consciente a ela chamando-a de “observador”, quando na verdade não é! Heisenberg usava a palavra evento ao invés de medição, mas infelizmente a moda não pegou. 

Para finalizar vejam esse vídeo e comparem com nossa explicação:



É isso pessoal, espero que tenha ficado claro para todo mundo que não tem nenhum gato de verdade dentro de nenhuma caixa, é tudo um experimento mental, no qual nosso interesse é apenas criar uma forma palpável de exemplificar a superposição de estados. 


Algumas referências:

- Tales of Schrödinger's Cat

- Introdução a Mecânica Quântica - Griffiths
- Física em 12 Lições Fáceis e Não Tão Fáceis - Feynman 
  

{ 29 comentários ... Abandone toda a esperança aquele que aqui entrar }

  1. Já havia lido sobre o gato de "O Gato Zumbi de Schrödinger", quando você no início havia dado o exemplo com a caixa sendo aberta já havia pensado em que o exemplo estava incorreto, mas continuei lendo até ver o desenrolar, realmente, uma ótima explicação, pois seu intuito maior foi ir por partes fazendo as etapas do experimento desenvolver devagar na mente do leitor. Se fizesse diferente estaria cometendo um estupro mental. Obrigado pela informação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Celo, foi por esse motivo que coloquei uma nota de rodapé já no começo, mas acho que ela não ficou muito visível... vou tentar arrumar isso.

      Fico feliz que tenha gostado do texto!

      Excluir
  2. Sempre me deparo com a seguinte informação: "A Física Quântica estuda, analisa, trabalha com possibilidades"... ou "é a física das possibilidades"... sendo assim, se for assim, também podemos dizer que, igualmente o gato, pode ou não, ser a consciência quem colapsa. É uma ciência que existe para analisar o "se". Talvez por termos uma ideia exata de ciência, não podemos digerir facilmente tal variante de pensamento em uma era tão exata, digamos assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Célia. Na verdade não! Essa visão de mecânica quântica ser a física "das possibilidades", do "se" como você mesmo citou, é majoritariamente rótulos que distorcem o real conteúdo dela. A MQ é a ciência que estuda, analisa, trabalha com partículas subatômicas!!! Quem faz isso com possibilidades é a estatística, por sua vez essa é uma ferramenta usada pela mecânica quântica. E são justamente esses misconceptions unido a falta de conhecimento do assunto que serve de base para relacionar a mecânica quântica a assuntos espirituais. E é bem fácil chamar a ciência de exata e dar crédito a essas pessoas, uma vez que o que eles falam nem sequer pode ser estudado, medido, testado, tendo que se assumir uma opinião pessoal sem base como verdadeira.

      Excluir
  3. Perfeita a cena do filme para exemplificar !

    ResponderExcluir
  4. Para mim mesmo que o dispositivo funcione ou não e mate o gato ou não, só saberemos depois de abri a caixa, revelando assim o verdadeiro estado do gato vivo ou morto.
    Portanto somo-nos os observadores quem determina o verdadeiro estado do gato.
    Colapsando a realidade do animal, porem o interesse do observado pelo gato e quem vai determina o estado do mesmo, na falta desse, o gato ficara eternamente entre dois estado de vivo e morto.
    Salvo e claro interferências que podem marta o gato de fome e sede.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, mas isso é estritamente opinião pessoal sua sem fundamento algum e que não condiz em nada com mecânica quântica!

      Excluir
    2. Não estamos falando de que aqui ?

      Excluir
    3. Que? Eu estava falando de mecânica quântica e não de opinião pessoal. Esse texto em momento algum tem "eu acho" ali. O que está escrito acima pode ser encontrado em qualquer livro básico de mecânica quântica universitário!

      Excluir
    4. O que talvez seja confuso nesse experimento é que somente poderemos ter acesso a informação relativa ao estado de vivo ou morto do gato apenas se abrimos a caixa. Do ponto de visto de um observador isso é uma medida, ou seja, é na medida que temos acesso a informação. Mas o fato é que a verdadeira medida, como dito acima (e corrija-me se entendi errado), esta no mecanismo aciona o dispositivo que pode matar o gato, e isso, independe de abrirmos ou não a caixa.

      Excluir
    5. Se fosse a "consciência" do ser humano que implicasse e interferisse nos estados quânticos, o universo nunca teria saido do seu estado inicial. Consequentemente, não haveriam seres humanos. A nucleossintese, a fusão nuclear em estrelas e todos os processos quânticos que fez o universo hoje ser desse jeito, não teriam acontecido, já que não existia nenhum humano pra observar esses fenomenos.

      Excluir
    6. O Márcio fez um ponto muito interessante a respeito de nem estarmos aqui caso tudo dependesse da nossa consciência... Seu comentário somou com o texto e deu um cheque mate!

      Excluir
  5. O filme fechou com chave de ouro! Esplêndido discorrimento sobre o exercício de Schrödinger... Parabéns! (sou se fã cara haha)

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela explicação Thiago!!
    Sou um quase químico (falta uma matéria pra me formar hahaha) mas também gosto muito de física, principalmente de mecânica quântica e mecânica estatística e é não difícil vermos interpretações equivocadas de definições relacionadas à esses conteúdos.
    Seu texto foi muito bem trabalhado, muito legal!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom o texto! Então o último filme quando cita que "o fato de olhar força a decisão da natureza" está totalmente errado... não é isso?
    Já que o fato de olhar apenas faz com que consigamos apenas saber o resultado do evento (gato vivo ou gato morto)... Estou certo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Jairo, o último vídeo segue uma interpretação leviana da situação. O que ele diz por "olhar" é na verdade medir, o choque entre o mundo quântico e o mundo clássico, como eu disse no texto, que faz com que a partícula (ou no caso o gato) não possa assumir mais uma superposição de estados. Para a situação que o Schrödinger imaginou, a medição não era olhar dentro da caixa, mas sim o que o contador geiger registra do decaimento do isótopo radiativo. Então são situações levemente diferentes.

      Excluir
  8. Outro dia assisti em um documentário sobre Einstein e ouvi o seguinte: algo que não esta sendo observado não tem nenhum tipo de medição de tempo, dimensões, pressão, etc... Aquilo apenas existe. E todo tipo de observação ou medição são ferramentas que necessitamos para procurar entender aquilo... O fato de apenas observar e medir não muda a natureza de algo. Foi onde o último vídeo confundiu as idéias...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que acontece na medida, como disse no texto e no outro comentário, é interação entre o "quântico" e o "clássico", é justamente nessa interação que o nosso universo força a partícula a assumir um estado e não mais uma superposição de estados. Então não é uma ação nossa, mas sim da natureza, forçar uma partícula a assumir um estado quando ela interage com um sistema clássico.

      Excluir
  9. Olá Thiago,
    Em primeiro lugar meus parabéns e agradecimentos pelo texto. Seu trabalho de divulgação da Física para o público leigo é de imensa importântica. Tenho mestrado em Física Teórica pela UFPR e hj sou pesquisadora do CBPF do grupo Física e Humanidades, que tem o intuito de levar a ciência para a sociedade. Entre nossos projetos temos o curso Pré-vestibular gratuito para negros e carentes, que fez com que muitas pessoas sem possibilidade hj sejam Mestres e Doutores, e um Curso de Física Moderna gratuito para professores do Ensino Médio. Eu, particularmente, acredito que a ciência influencia muito nosso comportamento social e até pessoal. Vejo que precisamos urgentemente de uma grande mudança de visão de mundo e de nosso papel dentro dele. De que adianta tanto avanço tecnológico se não temos avenço na nossa ética pessoal?!! Pelo contrário, esse avanço será prejudicial, uma vez que teremos muito poder e pouquíssimo critério e ética para lidar com ele, vamos acabar "soltando uma bomba sobre nossas próprias cabeças" e destruindo tudo. O planeta está no seu limite ecológico e corremos o risco de ser exterminados como raça humana se continuarmos com este paradigma insano que obecemos hj, vc concorda? Me desculpe por tocar em um assunto que não te agrada, mas queria colocar aqui esta questão do observador na Física Quântica. Concordo plenamente que esta questão da consciência não pode se medir, não é algo que se possa estudar no laboratório e por isso é algo complicado para ser introduzido na ciência, mas o que vejo na prática, é que quando as pessoas têm uma visão de mundo onde o observador se torna parte ativa do processo, isso tráz toda uma reflexão, a meu ver bastante positiva, de nosso papel e nossa responsabilidade no mundo prático. Se a Ciência rejeita esta linha de interpretação, ou seja lá como vc quiser chamar, acho que de qualquer modo, deveria então colocar todo este conhecimento de modo mais sutil, de forma que a ciência faça o que é acredito que é seu papel tb, trazer não só o avanço técnológico, como tb o pessoal, pois as coisas não são separadas! Quando extrapolamos o emaranhamento quântico para uma ideia de que estamos todos interligados de alguma forma, isso traz uma consciência menos egoica, com foco no todo, menos destrutiva... enfim Thiago, termino com uma colocação do Eisntein: "Pq esta ciência aplicada, que economiza trabalho e torna a vida mais fácil, traz a nós tão pouca felicidade? Resposta: Porque nós ainda não aprendemos a fazer uso sensível da mesma". A Física é uma ciência que visa trazer explicações para fenômenos, o que é o Universo e como ele funciona? E com certeza ele se mostra muito mais misterioso e te muitos mais fenômenos do que os modelos puramente materialistas conseguem explicar. Bem, desculpe qualquer coisa, com real carinho, Eliane

    ResponderExcluir
  10. Também te parabenizo pelo blog. A mesma questão colocada pelo Jairo me ocorreu. No vídeo é dito "o fato de olhar força a decisão da natureza", mas isso não me parece correto de acordo com o experimento de Schrodinger. O gato morrer ou não ocorre independente de que eu interaja, a menos que haja uma dependência do dispositivo/bomba funcionarem sim ou não somente se eu abrir.

    ResponderExcluir
  11. Eu entendi e não entendi simultaneamente, só a partir da intervenção de um observador que dara existência de um universo onde eu entendo ou um outro onde eu não entendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maciel, desculpe,mas eu não falei nada sobre existência de universos, muito menos que a intervenção de observador dá origem a ele.

      Excluir
  12. O nome do Neils bohr tem erro de digitação, ta escrito Bhorn...

    Acho que precisamos de um novo metodo para medir velocidade e a posição de uma particula, sem "atirar" um foton nele para detectarmos onde ele está... Espero que não esteja falando bobagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não está errado, são pessoas diferentes. Um é o Neils Bohr e o outro é o Max Born, eu que coloquei um H onde não deveria. E não quanto mais melhoramos nossos experimentos, mais vemos que é a incerteza é uma característica da natureza.

      Excluir
  13. Acho esse exemplo do gato desastroso para exemplificar a física quântica, porque a situação de vida do gato na caixa será uma OU outra, independente de quem olha. O olhar só constata o fato e não cria o resultado. Esse papo de probabilidade é bom em teoria, mas na prática a teoria é outra. Como exemplo da probabilidade estatística temos 2 indivíduos e 2 pães, sendo que a média estatística dirá que na média cada um como um pão, sendo que se 1 elemento coma os dois, no real este vive comendo "1" pão enquanto o outro que "come o outro" morre de fome.

    Não entendo nada de física quântica mas acho que ele deve seguir uma lógica, mesmo que diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está olhando com "olhos" clássicos. Como o próprio Thiago disse, ele está usando experimentos clássicos para explicar um fenômeno quântico e isso tem limitações.

      Sim, na física clássica (como ele citou) não há superposição de "funções" por isso você afirma que o gato está morto OU vivo. Já na MQ existe a superposição de funções, por isso você pode dizer que ele está morto E vivo.

      O que ele fez é uma analogia e, como toda analogia, há limitações.

      Este papo de "probabilidade" é bom em teoria e na prática! As previsões da MQ são excelentes e estão de acordo com os experimentos. O fato de você não saber sobre o assunto, não faz com que "na prática a teoria seja outra".

      Excluir
  14. Resumindo oque eu entendi só com a medição sabe se o elétron por exemplo e partícula ou onda. E essa medição e única e o elétron pode mudar o estado mesmo em um sistema idêntico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não exatamente, nós nunca medimos uma partículas para saber se ela é onda ou partícula. Toda partícula apresenta naturalmente esse comportamento dual. O que podemos definir em uma medição é a posição, energia, spin e etc.

      Excluir

Recebe atualizações por e-mail

Google+

Seguidores

Posts populares

Labels

- Copyright © Simetria de Gauge - Powered by Buc! - His name is Robert Paulson - Use $\LaTeX$